Análise Semanal da Conjuntura Brasileira

É preciso refundar um novo reformismo radical

Por Eduardo Pessine, revisão de Flávia Nobre

Foto por Domício Pinheiro.
Foto por Domício Pinheiro.

O atual governo apresentou sua nova proposta de reforma administrativa, mais um elemento do extenso pacote de contra-reformas que visam, a médio e longo prazo, destruir toda a viabilidade econômica e organizativa do Brasil. Os alvos principais da reforma são a redução dos salários e o fim da estabilidade do funcionalismo público – servindo tanto ao enfraquecimento do estado nacional brasileiro, reduzindo a capacidade de absorver profissionais com alta capacitação devido aos baixos salários oferecidos, tanto para gerar uma maior instabilidade em toda a cadeia administrativa nacional, fazendo com que grandes contingentes de funcionários sejam substituídos a cada ciclo eleitoral, impedindo qualquer planejamento a longo prazo no âmbito executivo.

Como já era esperado, a aliança militares-juristocracia – as duas castas institucionais que dirigem atualmente o estado sob comando da burguesia interna e do imperialismo – sairão ilesos da reforma, o que já demonstra de cara o argumento fiscalista e de austeridade. Os altos cargos militares e magistrados são os mais custosos não só do país, mas também de todo o mundo, proporcionalmente. E qualquer pessoa que já passou por procedimentos jurídicos no Brasil, sabe muito bem que além de ser altamente custoso, também é um dos mais lentos e incompetentes, além de acumular inúmeros privilégios completamente incompatíveis com a realidade brasileira.

Em linhas gerais, a reforma administrativa é mais um passo no aprofundamento da dependência e do subdesenvolvimento, ancorando ainda mais o Brasil na mais baixa posição da divisão internacional do trabalho através de mecanismo institucionais que dificultam cada vez mais políticas de desenvolvimento e fortalecimento de sua soberania. E o atual governo está onde está para isso: é um governo de ocupação que visa demolir a nação por dentro. A sustentação social desta destruição é, agora, o social-liberalismo de direita de Bolsonaro – que amplia os programas de gestão da pobreza do petismo – e o próprio fracasso político da esquerda liberal, que nutriu o ódio do povo contra todo o sistema. Como sabemos, isso não representa uma “onda conservadora”, mas um profundo ódio pela República Rentista, que não encontra uma tradução política radical à esquerda, que continua hegemonizada pelo neoliberalismo e ideologias anti-nacionais.

A dita “oposição”, novamente, encontra-se em uma encruzilhada. Não possui alternativa alguma ao pacote de contra-reformas de Paulo Guedes, e insiste em propor apenas políticas sociais (ou em outras palavras, a continuidade da gestão da pobreza, que será em breve inviável tanto economicamente quanto politicamente, já que será apropriada por Bolsonaro). Neste sentido, a agenda de destruição nacional seguirá não só incólume, mas manterá sua base social.

É necessário ressaltar que o governo Bolsonaro/Guedes possui uma característica diferente dos anteriores: não existe uma preocupação das classes dominantes em preservar sua popularidade, já que mantém um controle completo sobre cenário político. Se Bolsonaro caísse amanhã, a coesão burguesa continuaria intacta com a liderança de Rodrigo Maia, João Dória, Flávia Dino, Fernando Haddad, e até mesmo Ciro Gomes. Nenhum destes encabeça aquilo que alude o título deste artigo: um novo reformismo radical.

O mais rico período político do Brasil, quando havia maior coesão do povo brasileiro em torno de um projeto soberano e popular de país – as décadas de 50 e 60 – uniu os trabalhadores em torno de uma poderosa agenda reformista radical: que se traduziu nos grande avanços do governo Getúlio Vargas e na campanha pelas Reformas de Base no governo João Goulart. Não foi por acaso que a classe dominante logo liderou uma contra-revolução e abortou o reformismo radical da aliança trabalhista-comunista. Além de colocar o povo no centro da disputa política, não se pedia por meras políticas públicas – mas exigia-se um conjunto de reformas estruturais que, ancoradas na mobilização ininterrupta das massas, apontavam para uma ruptura revolucionária do Brasil com as bases de sustentação da dependência e do subdesenvolvimento: a reforma bancária, agrária, política, militar, etc.

O petismo matou esta tradição: ostracizou Brizola em seus últimos anos de vida e aliou-se com a historiografia uspiana em prol do revisionismo burguês acerca do getulismo e da tradição trabalhista. Eliminou a participação popular das massas, mergulhou-se em um republicanismo ingênuo que abandonou a luta pelo poder e pelo reformismo radical. Por estes e outros motivos, o petismo é uma ideologia inimiga do povo brasileiro e estranha aos interesses nacionais. É preciso superá-la para construir um novo reformismo radical, que defende abertamente uma agenda alternativa ao contra-reformismo de Guedes, e que volte a convocar as massas para a luta política.

Todo revolucionário brasileiro deve trabalhar em prol disso: da refundação de uma esquerda que paute as questões centrais do país e que tenha um amplo projeto de reformas radicais – sem ilusões e ingenuidade, armando o povo, ideológica e militarmente, para reprimir a contra-revolução e a reação imperialista. Apenas assim derrotaremos os agentes do Império que atualmente ocupam os altos cargos do estado nacional.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s