Análise Semanal da Conjuntura Brasileira

Precisamos de clareza: não há oposição no Brasil!

Por Eduardo Pessine, revisão de Flávia Nobre

A entrega do sistema de saneamento e da água foi aprovada pelo senado, na contra-mão do mundo que têm reestatizado o setor. Foto por Waldemir Barreto.
A entrega do sistema de saneamento e da água foi aprovada pelo senado, na contra-mão do mundo que têm reestatizado o setor. Foto por Waldemir Barreto.

A passagem da “boiada” para a privatização do saneamento básico expôs uma dura realidade ao povo brasileiro: não existe oposição real no Brasil contra o desmonte do estado nacional!

Nesta semana, foi aprovado o PL 4.162/19, que modifica o Marco Legal do Saneamento e abre as portas para a privatização do setor de saneamento e até mesmo da própria água, um recurso natural absolutamente estratégico para o desenvolvimento de qualquer nação. Apesar do projeto de lei em si não privatizar diretamente o serviço de saneamento básico e a água, ele permite a participação de empresas privadas em licitações municipais no processo de concessão às empresas estaduais, o que não ocorria antes – a empresa estadual anteriormente assumia a concessão diretamente, sem licitação. Em outras palavras, esse projeto de lei abre caminho para que empresas estrangeiras, estatais ou privadas, assumam o serviço de saneamento de grandes cidades, lucrativas, deixando as pequenas cidades deficitárias nas mãos das estatais, o que certamente as levarão à falência.

Além disso, a própria instalação das empresas estrangeiras no país já gera uma enorme ameaça para qualquer projeto de desenvolvimento nacional. A presença econômica de lobbies estrangeiros aumenta muito o poder de influência destes grupos na política nacional e nos rumos do país.

O projeto passou de lavada no Senado – como dizem por aí, à esquerda e à direita, “as instituições funcionam normalmente” – escancarando que a aposta na oposição parlamentar é uma profunda ilusão e levará o Brasil ao fundo do poço. As instituições políticas brasileiras estão apodrecidas e precisam de uma renovação dentro do marco de um movimento de libertação nacional. Entretanto, nem mesmo a suposta oposição atua em favor dos interesses nacionais: PDT, PSB e REDE, que compõem o “frentão”, votaram todos a favor do projeto, enquanto o PT, com sua bancada de seis senadores, nada fez contra a aprovação do projeto para além do voto, com o líder do partido, o senador Rogério Carvalho, afirmando inclusive, “Não me oponho ao investimento privado na área de saneamento. Acho que o investimento público e o investimento privado precisam acontecer simultaneamente, não há dogmatismo da nossa bancada em relação a esse tema”.

Cid Gomes foi outro que “costeou o alambrado”, votando a favor do projeto e mostrando que o “nacionalismo” do clã Ferreira Gomes mais ladra do que morde. No caso de Cid, morde o bolsonarismo, mas só ladra para Paulo Guedes e os interesses estrangeiros. Seu irmão, Ciro Gomes, publicou um vídeo atrapalhado com seu colega do mercado financeiro, Eduardo Moreira, onde afirma até mesmo que ainda estava “começando a entender o que foi votado”. Há quem diria que para quem defende um projeto nacional de desenvolvimento, os rumos da água e do saneamento nacional deveriam estar na ponta da língua! Mas o “nacionalismo” de goela tem seus limites: fica de lado quando se trata de um projeto do padrinho político – e multimilionário – Tasso Jereissati.

No vai-e-vem do teatro parlamentar, a aprovação do projeto alimentou a cretina “disputa” entre PDT e PT, ou mais precisamente, entre Ciro Gomes e PT. Mas o fato é: a “oposição” como um todo, ambos os lados dessa falsa disputa, contribuíram para a aprovação do projeto – até mesmo aqueles que deram seu inútil voto “não”, na causa perdida – merecendo até mesmo agradecimentos especiais à bancada do PT por parte do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, por ter removido os destaques e permitido uma votação rápida no plenário.

Essa derrota da nação brasileira – dentre muitas – deixa às claras que o povo brasileiro está completamente excluído da política nacional e da decisão dos rumos do país. A suposta oposição está acertada com interesses espúrios em troca da manutenção dos mandatos e do teatro parlamentar, encenado nas apodrecidas instituições da República Rentista.

A iminente queda de Bolsonaro, quando for consumada, significará, na prática, a ascensão ao poder deste mesmo consórcio político que escancarou a porta do saneamento básico nacional às empresas estrangeiras. O “fora Bolsonaro” não significa, nem significará assim, o “fora Guedes”. A destruição nacional e a dilapidação do patrimônio público brasileiro continuará com ou sem Bolsonaro, e a dura realidade é que, atualmente, não existem forças políticas comprometidas com a retomada da soberania popular em nosso país. Os partidos tradicionais, em grande parte, fazem vista grossa ao rentismo e estão mergulhados no cretinismo parlamentar. Essa práxis política significará a perpetuação de nossa condição de colônia.

Para reconstruir a indústria nacional, a geração de empregos, o desenvolvimento e a soberania tecnológica, retomar o patrimônio que nos foi roubado, como a Embraer, braços da Petrobrás e agora nossa água, é necessário romper definitivamente com o rentismo e adotar uma postura política radical, sem ilusões. E infelizmente, ao que tudo indica, o povo brasileiro não terá como aliados nesta luta nem Ciro Gomes, nem o Partido dos Trabalhadores.

A vitória somente virá do próprio povo, organizado em torno de uma luta de libertação nacional!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s