África

O tabuleiro africano: a República da Índia

A Índia está experimentando um crescimento econômico sem precedentes, estabelecendo seus interesses no continente africano visando obter recursos e aliados e um maior impacto na política internacional.

Por Laura Revenga, via Descifrando la Guerra, tradução de Eduardo Pessine

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, acena aos delegados africanos durante o encontro do Fórum Índia-África em 2015. Via newindianexpress.com
O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, acena aos delegados africanos durante o encontro do Fórum Índia-África em 2015. Via newindianexpress.com

“O tabuleiro africano” é uma série de artigos (publicados pelo Descifrando la Guerra) sobre a crescente disputa pela influência política no continente africano.

Nos últimos anos estamos presenciando a entrada de um novo ator na Competição entre Grandes Potências (GPC, em inglês)1. A Índia está experimentando um crescimento econômico sem precedentes, estabelecendo seus interesses no continente africano visando obter recursos e aliados e um maior impacto na política internacional. Os vínculos entre a República da Índia e África remontam há vários séculos atrás, quando os comerciantes indianos ultrapassaram o Mar Arábico ao oeste em busca de mercados lucrativos2. Sua presença se centrou no leste de África (Quênia, Tanzânia e Uganda) e o sul (África do Sul, Maurícia, Madagascar e Seicheles)3. Essa relação se viu interrompida até o final do século XX. No entanto, graças à diáspora indiana em África, estimada atualmente em cerca de 1 milhão de pessoas4, se permitiu que o laço entre ambos atores não se perdesse. Entre 1970 e 1990, a Índia apoiou a África contra o sistema do apartheid e do colonialismo5. A partir de 2008, as relações se intensificaram e se institucionalizaram desenvolvendo um ambioso programa de investimentos e comércio.

Projeções de crescimento do comércio África-Índia (via Brookings).
Projeções de crescimento do comércio África-Índia (via Brookings).

A estratégia da Índia vai de acordo com sua maneira de conceber as relações internacionais. Sua estratégia se baseia no desenvolvimento de sua própria versão da retórica chinesa de “ganha-ganha”6. Tanto a Índia quanto os países africanos enfrentam uma população em crescimento e infraestruturas insuficientes para desenvolverem uma economia competitiva. Neste sentido, a Índia impulsionou um programa de investimentos e comércio por todo o continente africano. Por exemplo, o investimento indiano na agricultura africana se adapta às necessidades do país e sua indústria de reexportação7, benéfica para ambas as partes. Dado que se espera que a economia indiana cresça mais rapidamente que a chinesa a médio e longo prazo, o fortalecimento dos laços pode beneficiar ambas as partes8. Essa estratégia também é utilizada por outras potências com diferentes resultados. Por outro lado, há também uma natureza diversa dos compromissos públicos e privados da Índia em África e o apoio de Nova Déli ao setor privado9. É importante destacar que Nova Déli tem focado em proporcionar tecnologia e experiência na diversificação das exportações das nações africanas10. Isso permite que a Índia possar prolongar sua influência no continente.

O restante dos atores em África também realizam investimentos em diversos âmbitos, como o comércio, a indústria militar, entre outros. No entanto, a Índia possui uma vantagem em relação a outros atores como a China. A carta na manga reside no impulso do setor privado indiano em África, onde as empresas indianas seguem estratégias que resultam em uma maior integração com os mercados nacionais. Em um estudo de 2013 sobre a luta contra a corrupção e a prestação de contas entre as empresas em operam em África, as empresas da Índia tiveram o melhor desempenho geral. Isso pode resultar em uma vantagem, já que vários governos africanos estão tratando de submeter os investimentos estrangeiros à uma maior transparência e controle em relação à corrupção11.

A diplomacia e cooperação têm sido outros pontos fortes para os interesses indianos. Nova Déli tem fomentado a integração bilateral, multilateral e regional. Além disso, a Índia tem se aproximado de uma variedade de países africanos através da Commonwealth, o G-77, o Movimento de Países Não-Alinhados e também tem expressado seu interesse de unir-se à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa como observador12.

Para se contrapor à influência chinesa, a Índia e o Japão formularam em 2016 a idéia do Corredor de Crescimento África-Ásia (AAGC, em inglês)13. Ele focará em quatro áreas: projetos de cooperação para o desenvolvimento, infraestrutura de qualidade e conectividade institucional, melhora de habilidades e associação de pessoas a pessoas. A agricultura, saúde, tecnologia têm sido identificadas como as principais áreas de cooperação para o desenvolvimento. O corredor facilitará maiores intercâmbios entre os países participantes14. Na infraestrutura, a Indian Railways tem feito incursões em África, fornecendo locomotivas à Moçambique, Tanzânia, Mali e Senegal. Também tem reformado estradas de ferro em Moçambique e Libéria. O India Exim Bank tem papel central nesses projetos e no aumento da oferta de infraestrutura da Índia em África15. O investimento também foca na infraestrutura portuária e no desenvolvimento de áreas costeiras, com o projeto “Sagar-Mala”16.

As empresas indianas têm se deslocado à África atraídas por novos mercados para suas exportações, negócios e obtenção de recursos naturais. No entanto as exportações da Índia à África estão se diversificando e ampliando. Por outro lado, o petróleo bruto e o gás ainda representam mais de dois terços das exportações para a Índia, enquanto o restante é constituído por ouro e outros metais preciosos17. A Índia necessita da diversificação das rotas energéticas estratégicas, para satisfazer a demanda energética interna. No entanto, a Índia ratificou o acordo de Paris de 2015 e Modi se comprometeu que até 2030 ao menos 40% da eletricidade do país será gerada a partir de energias renováveis18. Neste sentido, a Índia garantiu uma linha de crédito de US$ 10 bilhões à África durante cinco anos em 2015 para projetos de energia solar19.

Investimentos indianos em África nos últimos anos (via Brookings).
Investimentos indianos em África nos últimos anos (via Brookings).

No plano militar, a Indía tampouco tem ficado para trás. Os países africanos e Nova Delhi mantêm cooperação para fortalecer sua segurança marítima. O foco da Índia para a cooperação marítima tem girado em torno de sua preocupação central em relação à segurança nas águas africanas – por exemplo, nas proximidades do Chifre da África a Marinha Indiana tem desempenhado um papel importante na luta contra a pirataria somaliana20. A Marinha Indiana também tem começado a desempenhar um papel mais importante nos estados da África Ocidental, oferencendo maiores patrulhas e sistemas de vigilância remota. Convém acrescentar que essa cooperação militar também se extende à luta contra o terrorismo. Em 2018, a Índia firmou um acordo com Seicheles para a construção de uma base naval indiana21 e outros acordos de treinamentos militares em diferentes países africanos22.

A República da Índia está se envolvendo cada vez mais em missões de paz. A administração indiana tem recebido múltiplas solicitações por parte das nações africanas para partilhar sua experiência democrática e ajudar na introdução e na manutenção de estruturas democráticas em África. Neste sentido, a Índia segue sendo o maior contribuinte nas operações de paz – e outras – em África comandadas pela ONU, com mais de 30.000 pessoas envolvidas. Além do mais, a Índia tem fornecido observadores para assegurar que as práticas eleitorais no Congo e no Sudão do Sul se ajustam aos princípios e normas democráticas.

A ex-presidenta da Libéria, Ellen Johnson-Sirleaf se despede das forças de paz indianas em Monróvia (via TheIndianExpress).
A ex-presidenta da Libéria, Ellen Johnson-Sirleaf se despede das forças de paz indianas em Monróvia (via TheIndianExpress).

A terceira reunião do Fórum Índia-África (IAFS, em inglês) celebrada em 2015, contou com delegações de todos os estados africanos e mais de 40 chefes de estado, se tornando o maior conclave diplomático já feito. As primeiras duas edições, que aconteceram em 2008 e 2011, foram bem mais discretas23. Durante o terceiro encontro se adotou um marco para a associação estratégica entre Índia e África, que inclui a cooperação no comércio, segurança e infraestrutura, entre outras áreas comuns de cooperação24.

Esta corrida pela hegemonia mundial entre diversas potências tem feito com que certas regiões esquecidas voltem a ter relevância. Igualmente, a emergência sobretudo da China, Índia e outras potências emergentes tem mostrado que as antigas práticas consistentes em uma vantagem efetiva das potências frente aos estados africanos tem deixado de ser uma dinâmica regional atual. Igualmente, o papel da Índia em África tem crescido a um ritmo constante em diversos setores econômicos25. Conforme o compromisso da Índia com os países africanos aumenta, Nova Déli tera que equilibrar hábil e diplomaticamente a tarefa de apoiar os esforços de desenvolvimento do continente africano26. Não obstante, os investimentos indianos no entanto tem se concentrado em uma série de países – por exemplo a Maurícia que, graças ao seu acordo fiscal com Nova Déli, atrai grandes volumes de investimentos27. A Índia tem o potencial de estabelecer uma relação com as nações africanas baseada no benefício mútuo, para além do âmbito puramente comercial. Certas potências, como a França e os Estados Unidos, correm o risco de perderem seus aliados no continente se não se adaptarem ao novos projetos dos novos atores na região.

Leia mais: série de artigos O tabuleiro africano.

As visões expressas neste artigo pertencem ao(s) autor(es) e não necessariamente refletem a linha editorial do portal Nova Margem.


1  http://www.descifrandolaguerra.es/el-tablero-africano-iila-republica-popular-china/ (tradução em https://novamargem.com.br/2020/03/23/o-tabuleiro-africano-a-republica-popular-da-china/)

2  https://www.studydhaba.com/india-africa-relations-pdf/

3  https://thediplomat.com/2015/11/china-and-india-in-africa/

4  https://idsa.in/africatrends/indian-diaspora-in-africa-a-profile_rkgupta_0614

5  https://www.insightsonindia.com/2016/11/30/insights-issues-india-africa-relations/

6  https://foreignpolicy.com/2015/10/28/in-india-its-time-for-africa/

7  https://bpr.berkeley.edu/2016/10/20/india-the-development-partner-africa-needs/

8  https://www.ictsd.org/bridges-news/bridges-africa/news/india’s-investment-in-africa-feeding-up-an-ambitious-elephant

9  https://bpr.berkeley.edu/2016/10/20/india-the-development-partner-africa-needs/

10  Ibid.

11  Ibid.

12  https://idsa.in/idsacomments/indias-new-initiative-in-africa-asia-africa-growth-corridor_rberi_130617

13  Ibid.

14  https://www.howwemadeitinafrica.com/indian-construction-firms-making-inroads-into-africa/4794/

15  https://bpr.berkeley.edu/2016/10/20/india-the-development-partner-africa-needs/

16  https://www.brookings.edu/research/india-africa-trade-and-investmenta-backdrop/

17  https://www.theguardian.com/environment/2016/oct/02/india-paris-climate-change-agreement-un-narendra-modi

18  https://medium.com/energy-access-india/multi-billion-dollar-afro-india-partnership-aims-to-eradicate-electricity-poverty-298ec3b95525

19  https://www.lainformacion.com/mundo/la-india-va-a-por-los-piratas-somalies_no9pz4xagmej3ppexssq83/

20  https://edition.cnn.com/2018/02/18/asia/india-military-base-seychelles-intl/index.html

21  https://www.breitbart.com/national-security/2019/01/17/india-host-first-ever-military-exercises-several-african-countries/

22  Ibid.

23  https://foreignpolicy.com/2015/10/28/in-india-its-time-for-africa/

24  https://www.india.com/education/3rd-india-africa-forum-summit-2015-concluded-1576424/

25  https://www.odi.org/blogs/10048-india-close-behind-china-new-african-trading-partner

26  https://idsa.in/africatrends/India-africa-ties_rberi_0412

27  https://www.brookings.edu/blog/africa-in-focus/2015/10/23/three-trends-in-indo-african-trade-and-investment/

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: